Amor ao Dinheiro



Conservem-se livres do amor ao dinheiro e contentem-se com o que vocês têm, porque Deus mesmo disse: "Nunca o deixarei, nunca o abandonarei" (Hebreus 13.5). Aqui a Palavra orienta a não vivermos em função do dinheiro. O próprio Senhor Jesus adverte que não é possível alguém servir concomitantemente a Deus e ao dinheiro (Mateus 6.24), e que “a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens” (Lucas 12.15). O adjetivo usado para significar “livres do amor ao dinheiro” ocorre também em outra parte do Novo Testamento onde se refere às qualificações do líder espiritual na igreja, dizendo que este não pode ser “apegado ao dinheiro” (1 Timóteo 3.3), “pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos” (1 Timóteo 6.10). O principal sofrimento do amante do dinheiro é uma ansiedade que o corrói e que lhe rouba a paz e a alegria. Em contrapartida está o contentamento. Ainda em Timóteo lemos: “De fato, a piedade com contentamento é grande fonte de lucro, pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos” (1 Tim. 6.6-8). Somadas a estas declarações, estão as palavras do Senhor, que dizem: “Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer”? ’ ou ‘que vamos beber? ’ ou ‘que vamos vestir? ’Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. (Mateus 6.31-33). “Contentem-se com o que vocês têm,” diz o texto. Trata-se de um contentamento livre de preocupação que é proveniente da confiança inteligente em Deus e da aceitação de suas promessas. Se Ele assegura a cada um de nós: “Nunca o deixarei, nunca o abandonarei,” nossa resposta deveria ser a mesma do salmista: “O Senhor está comigo, não temerei” (Salmos 118:6). ____________________________________ João Crisóstemo



Conservem-se livres do amor ao dinheiro e contentem-se com o que vocês têm, porque Deus mesmo disse: "Nunca o deixarei, nunca o abandonarei" (Hebreus 13.5). Aqui a Palavra orienta a não vivermos em função do dinheiro. O próprio Senhor Jesus adverte que não é possível alguém servir concomitantemente a Deus e ao dinheiro (Mateus 6.24), e que “a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens” (Lucas 12.15). O adjetivo usado para significar “livres do amor ao dinheiro” ocorre também em outra parte do Novo Testamento onde se refere às qualificações do líder espiritual na igreja, dizendo que este não pode ser “apegado ao dinheiro” (1 Timóteo 3.3), “pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos” (1 Timóteo 6.10). O principal sofrimento do amante do dinheiro é uma ansiedade que o corrói e que lhe rouba a paz e a alegria. Em contrapartida está o contentamento. Ainda em Timóteo lemos: “De fato, a piedade com contentamento é grande fonte de lucro, pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos” (1 Tim. 6.6-8). Somadas a estas declarações, estão as palavras do Senhor, que dizem: “Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer”? ’ ou ‘que vamos beber? ’ ou ‘que vamos vestir? ’Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. (Mateus 6.31-33). “Contentem-se com o que vocês têm,” diz o texto. Trata-se de um contentamento livre de preocupação que é proveniente da confiança inteligente em Deus e da aceitação de suas promessas. Se Ele assegura a cada um de nós: “Nunca o deixarei, nunca o abandonarei,” nossa resposta deveria ser a mesma do salmista: “O Senhor está comigo, não temerei” (Salmos 118:6). ____________________________________ João Crisóstemo