Semeando com Generosidade



"Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente. Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria" (2 Coríntios 9:6-7). Paulo havia exortado os coríntios a não envergonhá-lo em sua confiança quanto à contribuição que eles deveriam fazer quando de sua vinda a Corinto (v.4), agora passa a motivá-los a contribuírem com alegria e generosidade. Ele apresenta dois motivos para isso: (1) Usando a analogia de que semear com fartura traz colheita abundante (vv. 6-7), ele indica que Deus é amplamente capaz de prover para aqueles que dão generosamente. (2) A generosidade deles aliviaria as necessidades dos "santos" em Jerusalém. Mais do que isso, iria inspirá-los a renderem graças a Deus. Além disso, eles orariam pelos coríntios fortalecendo dessa forma os laços de comunhão além-fronteiras. O princípio aplicado por Paulo é que esta contribuição não deve ser feita com "pesar" ou "obrigação." Dois termos interligados porque contribuições feitas por "obrigação" serão feitas com "pesar." Tal contribuição seria dada portanto com "avareza" (v. 5), que é contra a doutrina da graça, coisa que Paulo queria evitar. Para o apóstolo, a graça de Deus deve ser retribuída "voluntariamente" (8:3), e "generosamente" (9:6); qualquer imposição legalista é contra este princípio. Assim sendo, fica claro aqui que o princípio que rege a contribuição é voluntariedade e generosidade. Porque Deus ama os que assim procedem. O Senhor em sua fidelidade, poder e graça, suprirá abundantemente as necessidades daqueles que contribuem, de maneira que sejam capazes de contribuir com quantias ainda maiores. ____________________________________ João Crisóstemo



"Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente. Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria" (2 Coríntios 9:6-7). Paulo havia exortado os coríntios a não envergonhá-lo em sua confiança quanto à contribuição que eles deveriam fazer quando de sua vinda a Corinto (v.4), agora passa a motivá-los a contribuírem com alegria e generosidade. Ele apresenta dois motivos para isso: (1) Usando a analogia de que semear com fartura traz colheita abundante (vv. 6-7), ele indica que Deus é amplamente capaz de prover para aqueles que dão generosamente. (2) A generosidade deles aliviaria as necessidades dos "santos" em Jerusalém. Mais do que isso, iria inspirá-los a renderem graças a Deus. Além disso, eles orariam pelos coríntios fortalecendo dessa forma os laços de comunhão além-fronteiras. O princípio aplicado por Paulo é que esta contribuição não deve ser feita com "pesar" ou "obrigação." Dois termos interligados porque contribuições feitas por "obrigação" serão feitas com "pesar." Tal contribuição seria dada portanto com "avareza" (v. 5), que é contra a doutrina da graça, coisa que Paulo queria evitar. Para o apóstolo, a graça de Deus deve ser retribuída "voluntariamente" (8:3), e "generosamente" (9:6); qualquer imposição legalista é contra este princípio. Assim sendo, fica claro aqui que o princípio que rege a contribuição é voluntariedade e generosidade. Porque Deus ama os que assim procedem. O Senhor em sua fidelidade, poder e graça, suprirá abundantemente as necessidades daqueles que contribuem, de maneira que sejam capazes de contribuir com quantias ainda maiores. ____________________________________ João Crisóstemo