A Fé de Marta



Disse-lhe Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente. Você crê nisso?" Ela lhe respondeu: "Sim, Senhor, eu tenho crido que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo" (João 11.25-27 NVI). Jesus afirma que Ele é a ressurreição e a vida e que aqueles que creem pessoalmente nele viverão ainda que morram. Talvez a morte represente o fim para os incrédulos, mas não é assim com os que foram feitos filhos de Deus pela fé em Cristo (João 1.12). Para os cristãos, a morte é apenas a passagem para uma vida abundante e de perfeita comunhão com Deus. Vale lembrar que esta vida abundante se inicia no momento em que nós colocamos nossa fé em Jesus, e não apenas na eternidade. Cristo nos oferece este presente também para aqui e agora. Não se trata simplesmente de uma promessa a ser desfrutada no futuro! Marta concorda com Jesus, embora possivelmente não compreendesse a complexidade das implicações do que Ele dizia. Ela expressa sua fé dizendo “eu tenho crido”. Na língua original, essa construção gramatical indica continuidade e demonstra que a fé que uma vez lhe fora dada permanecia ativa. Sua fé não era apenas uma credulidade vaga, mas continha profundo conteúdo doutrinário. Ela destaca três fatos: Inicialmente, ela assevera que Jesus é “o Cristo;” isso reflete o seu reconhecimento de que Jesus era o Messias prometido e esperado pelos judeus. Depois, que Ele é “o Filho de Deus;” alguém que possuía um relacionamento íntimo e especial com Deus Pai. O Evangelho de João foi escrito com o propósito de trazer pessoas à fé em Cristo como o “Filho de Deus” (João 20.31). Por último, ela se refere a Jesus como aquele “que devia vir ao mundo,” isto é, que Ele é o enviado de Deus para cumprir de modo perfeito Sua vontade de livrar os pecadores da condenação eterna. Somadas, estas três declarações nos dão a visão mais elevada que alguém poderia ter da pessoa de Jesus Cristo. Deveríamos atentar para esta preciosa e precisa expressão de fé que Marta exerceu naquele que entregou sua vida em sacrifício para nos conceder perdão dos pecados e vida eterna com Deus! ____________________________________ João Crisóstemo



Disse-lhe Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente. Você crê nisso?" Ela lhe respondeu: "Sim, Senhor, eu tenho crido que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo" (João 11.25-27 NVI). Jesus afirma que Ele é a ressurreição e a vida e que aqueles que creem pessoalmente nele viverão ainda que morram. Talvez a morte represente o fim para os incrédulos, mas não é assim com os que foram feitos filhos de Deus pela fé em Cristo (João 1.12). Para os cristãos, a morte é apenas a passagem para uma vida abundante e de perfeita comunhão com Deus. Vale lembrar que esta vida abundante se inicia no momento em que nós colocamos nossa fé em Jesus, e não apenas na eternidade. Cristo nos oferece este presente também para aqui e agora. Não se trata simplesmente de uma promessa a ser desfrutada no futuro! Marta concorda com Jesus, embora possivelmente não compreendesse a complexidade das implicações do que Ele dizia. Ela expressa sua fé dizendo “eu tenho crido”. Na língua original, essa construção gramatical indica continuidade e demonstra que a fé que uma vez lhe fora dada permanecia ativa. Sua fé não era apenas uma credulidade vaga, mas continha profundo conteúdo doutrinário. Ela destaca três fatos: Inicialmente, ela assevera que Jesus é “o Cristo;” isso reflete o seu reconhecimento de que Jesus era o Messias prometido e esperado pelos judeus. Depois, que Ele é “o Filho de Deus;” alguém que possuía um relacionamento íntimo e especial com Deus Pai. O Evangelho de João foi escrito com o propósito de trazer pessoas à fé em Cristo como o “Filho de Deus” (João 20.31). Por último, ela se refere a Jesus como aquele “que devia vir ao mundo,” isto é, que Ele é o enviado de Deus para cumprir de modo perfeito Sua vontade de livrar os pecadores da condenação eterna. Somadas, estas três declarações nos dão a visão mais elevada que alguém poderia ter da pessoa de Jesus Cristo. Deveríamos atentar para esta preciosa e precisa expressão de fé que Marta exerceu naquele que entregou sua vida em sacrifício para nos conceder perdão dos pecados e vida eterna com Deus! ____________________________________ João Crisóstemo