A Paz que Cristo nos Dá!



Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo (João 14.27 NVI). Após aproximadamente três anos de convivência, muito aprendizado e sob uma perfeita liderança, os discípulos de Jesus, tomados por um sentimento misto de preocupação e temor, ouvem-no afirmar que Ele está de partida. Dali em diante eles teriam que prosseguir sua caminhada terrena sem a presença de seu Senhor e Mestre. Percebendo o quanto este fato os angustiara, Cristo buscou encorajá-los com algumas promessas que incluíam a provisão na casa do Pai (v.2), o Seu retorno (v.3), a perspectiva de fazerem obras ainda maiores (v.12), respostas às orações (v.14), o envio do Espírito Santo (v.16), e a paz permanente (v.27). Concentremo-nos nesta última. Paz é o legado que Jesus deixou aos seus discípulos. Ela é o resultado natural da habitação do Espírito Santo naqueles que nele creem (Gálatas 5.22). No mundo antigo esse termo era comumente usado para expressar saudação ou despedida. Como saudação vemos um exemplo em João 20.19, que diz: Ao cair da tarde daquele primeiro dia da semana, estando os discípulos reunidos a portas trancadas, por medo dos judeus, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “Paz seja com vocês!” A paz que Jesus nos concede é totalmente diferente da paz que o mundo pode dar. Ela não é dependente de circunstâncias, como ocorre com qualquer paz que se obtenha no mundo secular. De fato, apenas Jesus pode oferecer paz real e uma serenidade inabalável. Na Palavra de Deus, “paz” tem um significado maior e mais profundo que o secular conceito negativo de ausência de guerra. O sentido bíblico é positivo e denota benção, especialmente no que se refere ao nosso correto relacionamento com Deus. Esse relacionamento se inicia no exato momento em que exercemos fé em Cristo como nosso Redentor e somos declarados justos por Deus, conforme Romanos 5.1, que diz: Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo. Consequentemente, no contexto da comunidade cristã, a paz de Cristo é referência para a manutenção da unidade da igreja (Colossenses 3.15). Os cristãos, por terem sido reconciliados com Deus e por estarem usufruindo da paz com Ele através de Cristo, deveriam naturalmente viver em paz uns com os outros. ____________________________________ João Crisóstemo



Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo (João 14.27 NVI). Após aproximadamente três anos de convivência, muito aprendizado e sob uma perfeita liderança, os discípulos de Jesus, tomados por um sentimento misto de preocupação e temor, ouvem-no afirmar que Ele está de partida. Dali em diante eles teriam que prosseguir sua caminhada terrena sem a presença de seu Senhor e Mestre. Percebendo o quanto este fato os angustiara, Cristo buscou encorajá-los com algumas promessas que incluíam a provisão na casa do Pai (v.2), o Seu retorno (v.3), a perspectiva de fazerem obras ainda maiores (v.12), respostas às orações (v.14), o envio do Espírito Santo (v.16), e a paz permanente (v.27). Concentremo-nos nesta última. Paz é o legado que Jesus deixou aos seus discípulos. Ela é o resultado natural da habitação do Espírito Santo naqueles que nele creem (Gálatas 5.22). No mundo antigo esse termo era comumente usado para expressar saudação ou despedida. Como saudação vemos um exemplo em João 20.19, que diz: Ao cair da tarde daquele primeiro dia da semana, estando os discípulos reunidos a portas trancadas, por medo dos judeus, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “Paz seja com vocês!” A paz que Jesus nos concede é totalmente diferente da paz que o mundo pode dar. Ela não é dependente de circunstâncias, como ocorre com qualquer paz que se obtenha no mundo secular. De fato, apenas Jesus pode oferecer paz real e uma serenidade inabalável. Na Palavra de Deus, “paz” tem um significado maior e mais profundo que o secular conceito negativo de ausência de guerra. O sentido bíblico é positivo e denota benção, especialmente no que se refere ao nosso correto relacionamento com Deus. Esse relacionamento se inicia no exato momento em que exercemos fé em Cristo como nosso Redentor e somos declarados justos por Deus, conforme Romanos 5.1, que diz: Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo. Consequentemente, no contexto da comunidade cristã, a paz de Cristo é referência para a manutenção da unidade da igreja (Colossenses 3.15). Os cristãos, por terem sido reconciliados com Deus e por estarem usufruindo da paz com Ele através de Cristo, deveriam naturalmente viver em paz uns com os outros. ____________________________________ João Crisóstemo