Altos Ideais



"Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas" (Colossenses 3:1-2 NVI). Estes versos nos fazem lembrar que aqueles que estão em Cristo não apenas morreram com Ele, mas também com Ele foram ressuscitados. Ao deixar o túmulo, o Senhor Jesus foi exaltado e agora está entronizado à direita do Pai. Qual o significado disso para os que estão unidos a Ele em sua morte e ressurreição? Significa que continuam a viver neste mundo em seus corpos mortais, porém com um novo estilo de vida. E o poder que os capacita a viver assim é concedido por aquele que habita na glória. Uma vez que compartilhamos da vida ressurreta de Jesus, nossos interesses estão centrados nele. Deste modo, precisamos buscar as coisas que pertencem à esfera celestial onde Ele reina; nossos pensamentos, atitudes, ambições e a maneira de vermos a vida precisam ser moldados pelo padrão do Cristo exaltado. Tendo morrido com Cristo, agora vivemos com Ele e nEle. Porque Ele vive, também vivemos; e nossas vidas são eternas como a dEle. O mundo não é capaz de ver a real vida do povo de Deus no presente, assim como não pode ver o Cristo ressurreto. Mas virá o dia em que Cristo será revelado em glória, e aqueles cujas vidas no presente estão ligadas a Ele, serão necessariamente reveladas e irão compartilhar de sua glória. A implicação desta realidade é que hoje, nós cristãos, não temos uma vida privada a nós mesmos. Nossos interesses atuais devem estar sujeitos ao interesse dEle. Espiritualmente nós já pertencemos à era vindoura e já desfrutamos da vida de Deus. Por isso, devemos almejar as coisas do alto, aquelas que estão acima dos principados e poderes que dominam esta esfera planetária, pois Cristo foi estabelecido acima destes. Não permitamos que nossas ambições estejam atadas aos limites terrenos, em objetos inferiores e transitórios. Julguemos todas as coisas pelos padrões da nova criação à qual pertencemos, e não pelas coisas deste mundo do qual já nos despedimos. ____________________________________ João Crisóstemo



"Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas" (Colossenses 3:1-2 NVI). Estes versos nos fazem lembrar que aqueles que estão em Cristo não apenas morreram com Ele, mas também com Ele foram ressuscitados. Ao deixar o túmulo, o Senhor Jesus foi exaltado e agora está entronizado à direita do Pai. Qual o significado disso para os que estão unidos a Ele em sua morte e ressurreição? Significa que continuam a viver neste mundo em seus corpos mortais, porém com um novo estilo de vida. E o poder que os capacita a viver assim é concedido por aquele que habita na glória. Uma vez que compartilhamos da vida ressurreta de Jesus, nossos interesses estão centrados nele. Deste modo, precisamos buscar as coisas que pertencem à esfera celestial onde Ele reina; nossos pensamentos, atitudes, ambições e a maneira de vermos a vida precisam ser moldados pelo padrão do Cristo exaltado. Tendo morrido com Cristo, agora vivemos com Ele e nEle. Porque Ele vive, também vivemos; e nossas vidas são eternas como a dEle. O mundo não é capaz de ver a real vida do povo de Deus no presente, assim como não pode ver o Cristo ressurreto. Mas virá o dia em que Cristo será revelado em glória, e aqueles cujas vidas no presente estão ligadas a Ele, serão necessariamente reveladas e irão compartilhar de sua glória. A implicação desta realidade é que hoje, nós cristãos, não temos uma vida privada a nós mesmos. Nossos interesses atuais devem estar sujeitos ao interesse dEle. Espiritualmente nós já pertencemos à era vindoura e já desfrutamos da vida de Deus. Por isso, devemos almejar as coisas do alto, aquelas que estão acima dos principados e poderes que dominam esta esfera planetária, pois Cristo foi estabelecido acima destes. Não permitamos que nossas ambições estejam atadas aos limites terrenos, em objetos inferiores e transitórios. Julguemos todas as coisas pelos padrões da nova criação à qual pertencemos, e não pelas coisas deste mundo do qual já nos despedimos. ____________________________________ João Crisóstemo